Setembro

  • 14º Domingo após Pentecostes
  • 06/09/2020
  • Trienal A
  • Sl 32.1-7
    Ez 33.7-9
    Rm 13.1-10
    Mt 18.1-20
  • 15º Domingo após Pentecostes
  • 13/09/2020
  • Trienal A
  • Sl 103.1-12
    Gn 50.15-21
    Rm 14.1-12
    Mt 18.21-35
  • 16º Domingo após Pentecostes
  • 20/09/2020
  • Trienal A
  • Sl 27.1-9
    Is 55.6-9
    Fp 1.12-14,19-30
    Mt 20.1-16
  • 17º Domingo após Pentecostes
  • 27/09/2020
  • Trienal A
  • Sl 25.1-10
    Ez 18.1-4,25-32
    Fp 2.1-4(5-13)14-18
    Mt 21.23-27(28-32)

Cores Litúrgicas


Cada cor tem uma representatividade litúrgica na comunidade religiosa.

A cor preta é símbolo da morte. Desta forma, ela é usada como cor litúrgica na Sexta-feira Santa.

Azul é a cor do céu, é o símbolo do céu. Também pode ser usada como símbolo da verdade. Azul é a cor litúrgica para o Advento.

Marrom é a cor da frieza da fé e da morte espiritual.

A cor cinza é um meio termo entre a cor preta e a branca. Ela tem sido usada para expressar a mortalidade do corpo e a imortalidade do espírito. No tempos bíblicos as cinzas eram usadas para demonstrar arrependimento. Por isso ela pode ser usada durante a Quaresma.

A cor verde é a cor das plantas vivas, abundantes na primavera. Ela é usada para representar o triunfo da vida sobre a morte. É a cor litúrgica do período da Trindade e Epifania.

Violeta é a cor da penitência e lamentação. É também a cor da realeza. É a cor litúrgica própria para o tempo do Advento e da Quaresma.

A cor vermelha é a cor do sangue. Por isso é usada na igreja como cor litúrgica para comemorar os dias de santos martirizados (lembrando que na Igreja Luterana, de acordo com o conceito bíblico, os santos são os santificados pela graça e perdão de Jesus Cristo). Por lembrar o fogo, é usada como cor litúrgica do dia de Pentecostes.

Desde os tempos bíblicos, a cor branca é reconhecida como um símbolo da pureza, inocência e santidade. É a cor litúrgica para os períodos do Natal e da Páscoa. Em lugar da cor branca é possível usar a cor de prata.

A cor amarela tem dois propósitos. Como a cor da luz, o amarelo pode ser usado para representar a divindade. No entanto, por a luz não ser totalmente branca, mas amarela, ela pode também ser usada para simbolizar a corrupção humana.