QUARENTENA x QUARESMA


26/03/2020 #Artigos #Editora Concórdia #Coronavírus

A QUEM E PELO QUÊ CLAMAR? (O profeta Jonas, a cidade de Nínive e o coronavírus)

QUARENTENA x QUARESMA

Estamos de quarentena contra uma ameaça invisível. Estamos também no período de Quaresma, um tempo de reflexão e de arrependimento, um tempo de jejum e abstinência para muitos cristãos ao redor do mundo.

Nínive era considerada a maior cidade do mundo na Antiguidade.

O profeta Jonas é enviado por Deus para Nínive, mas toma um navio para Társis (Espanha?).
Em meio a uma tempestade é lançado ao mar para ser devorado pelos monstros marinhos e, engolido por um deles (um grande peixe), é vomitado pelo peixe na praia.

O nome Nínive vem de Nina, uma deusa em forma de peixe, e o símbolo na escrita de então é um peixe dentro de uma casa. Outro deus possivelmente cultuado ali era Dagon, o deus em forma de homem-peixe.

A cidade de Nínive e a civilização assíria, segundo a mitologia local, teria surgido com “Oanes”, semideus que teria surgido do mar e teria a forma de um homem-peixe, o qual teria trazido a sabedoria e a cultura aos homens.

A história de Jonas, engolido por um peixe e vomitado na praia, mandado por Deus para anunciar, na grande cidade, que teriam 40 dias para se arrepender, ou a cidade seria destruída.

Jonas aparece, então, como o novo Oanes, não um semideus em forma de homem-peixe que traz conhecimento para edificar Nínive, mas como um profeta arrependido de sua desobediência anterior, vomitado do ventre de um peixe, para trazer o anúncio da destruição de Nínive.

O povo de Nínive, liderado pelo rei, jejua e se veste de roupa de saco, em sinal de arrependimento, e a misericórdia de Deus os alcança.

O profeta fica aborrecido com Deus, porque o povo foi perdoado, e Nínive não foi destruída. Fica aborrecido porque queria ver cair a ira de Deus e fogo do céu sobre Nínive, como em Sodoma e Gomorra, mas viu a graça e a misericórdia de Deus ser derramada sobre a cidade.

Em vez de ira, graça. Deus também se arrependeu, diz o texto, ou seja, sua ira foi mudada em graça, a condenação em absolvição, o castigo em bênção, a morte em vida.

Os quarenta dias, ou quarentena, foram dedicados ao arrependimento, ao exame de consciência, à confissão de pecados, a pedidos de perdão, à reconciliação fraterna.

Podemos dizer que a oração dos ninivitas teria sido a que Jesus ensinou: “perdoa as nossas dívidas assim como nós também perdoamos aos nossos devedores”.

Jonas reclamou do calor do sol, Deus lhe deu uma árvore que fizesse sombra. Finda a quarentena, a árvore morreu e Jonas ficou sem a sua sombra. Ficou aborrecido com isso. Deus lhe disse, então, que se Jonas era capaz de se compadecer de uma planta, quanto mais da humanidade.

Somos a Nínive de hoje, a civilização fundada em sabedoria humana, que imagina ter sob controle todas as forças da natureza, que não precisa mais de Deus.

Clamamos por medidas do governo, por atitudes corretas das pessoas, por socorro médico, por remédios e vacinas contra o coronavírus.

Jonas, à beira da morte (ou já no mundo dos mortos), clama a Deus por socorro, e Deus se compadece dele e o livra da morte (ressuscita).

Os ninivitas acolhem o profeta Jonas como enviado de Deus, ao qual clamam por misericórdia, e são perdoados.

O tempo que Jonas permaneceu no ventre do grande peixe (na morte) foi o mesmo tempo entre a morte e ressurreição de Jesus.

Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (Jo 3.16 – palavras de Jesus a Nicodemos, que queria saber como um homem velho pode nascer de novo ou entrar no reino de Deus).

Jonas não pereceu, sua alma não ficou presa no mundo dos mortos (Sheol), mas ele foi chamado de volta à vida. Este é o sinal de Jonas, o poder de Deus sobre a morte.

Em nossa quarentena contra o coronavírus, é bom recordar da pregação do profeta Joel: “e todo o que chamar pelo nome de Deus será salvo”. Crer é clamar a Deus por salvação e vida eterna.

O vírus sempre esteve aí, mas era inofensivo aos seres humanos, tendo animais como hospedeiros. Há poucos meses, se ergueu poderoso como um dos cavaleiros do apocalipse, percorrendo o mundo para dizimar parte da humanidade.

Estamos de quarentena contra uma ameaça invisível. Estamos também no período de Quaresma, um tempo de reflexão e de arrependimento, um tempo de jejum e abstinência para muitos cristãos ao redor do mundo.

Temos diante de nós a possibilidade de nos achegarmos a Deus e buscarmos a sua misericórdia. A sabedoria do mundo não é suficiente para enfrentar esta crise, é preciso crer na palavra: “arrependei-vos e crede no evangelho porque o reino de Deus está próximo”.

Na oração de Jesus encontramos conforto no meio da angústia: “Pai, passa de mim este cálice, mas faça-se a tua vontade e não a minha”.

Pai, passa de mim essa enfermidade, mas seja feita a tua vontade e não a minha.

E, no livro de Jonas (2.2-9), encontramos a oração de quem esteve nos grilhões da morte e foi libertado por Deus:


“Ó Senhor Deus,

na minha aflição clamei por socorro,

e tu me respondeste;

do fundo do mundo dos mortos, gritei pedindo socorro,

e tu ouviste a minha voz.


Tu me atiraste no abismo,

bem no fundo do mar.

Ali as águas me cercavam por todos os lados,

e todas as tuas poderosas ondas rolavam sobre mim.

Pensei que havia sido jogado fora da tua presença

e que não tornaria a ver o teu santo Templo.

“As águas vieram sobre mim e me sufocaram;

o mar me cobriu completamente,

e as plantas marinhas se enrolaram na minha cabeça.

 

Desci até a raiz das montanhas,

desci à terra que tem o portão trancado para sempre.

Tu, porém, me salvaste da morte,

ó Senhor, meu Deus!

Quando senti que estava morrendo,

eu lembrei de ti, ó Senhor,

e a minha oração chegou a ti,

no teu santo Templo.

“Aqueles que adoram ídolos,

que são coisas sem valor,

deixaram de ser fiéis a ti.

 

Mas eu cantarei louvores,

e te oferecerei sacrifícios,

e cumprirei o que prometi.

A salvação vem de Deus, o Senhor!”

Amém.

Luisivan Vellar Strelow

Adis Abeba, Etiópia

Artigos Leia mais


Notícias Leia mais


Assine o Mensageiro Luterano e
tenha acesso online ou receba a
nossa revista impressa

Ver planos