Uma farta Mesa da Palavra


Ler em formato flip
20/01/2020 #Artigos #Editora Concórdia #Estudos

Os livros bíblicos que também deveríamos ler e estudar de perto em 2020 são Romanos, 1Coríntios, Filipenses, 1Tessalonicenses e 1Pedro. Também Isaías, o maior profeta do Antigo Testamento

Uma farta Mesa da Palavra

Ofício da Palavra é o nome que damos à primeira parte do culto, sendo que a segunda parte é a Celebração da Santa Ceia. No entanto, a primeira parte do culto também poderia ser chamada de “Mesa da Palavra” (para combinar com a segunda parte, que pode ser chamada de “Mesa da Ceia” ou “Mesa da Eucaristia”). Se isso é assim, podemos perguntar: O que nos será servido na Mesa da Palavra em 2020? Dito de outra forma, que textos bíblicos serão lidos ao longo deste ano? A resposta breve é esta: será uma farta Mesa da Palavra, com ênfase no evangelho de Mateus!

 

O ano de Mateus

         Mateus foi o evangelho da igreja, também na IELB, até mais ou menos 1980. Na antiga Série Histórica, que foi usada na igreja durante séculos (na verdade, quase dois milênios), Mateus era fonte de metade das leituras de evangelho que eram feitas ao longo do ano litúrgico. E todos os anos eram as mesmas leituras de evangelho. Hoje, o evangelho de Mateus perdeu o monopólio ou a exclusividade, pois é lido apenas a cada terceiro ano.

         Na série de leituras bíblicas que hoje usamos, chamada de Série Trienal (isto é, “série de três anos”), os três primeiros evangelhos (Mateus, Marcos e Lucas) vão se revezando. E o quarto evangelho, João, como fica? Esse é lido, aos poucos, ao longo dos três anos. Assim, ao final de três anos, teremos lido, na Igreja, durante o culto, mais ou menos a metade de cada um dos quatro evangelhos. Ao final de três anos, o ciclo recomeça. Neste ano de 2020, o ano A, teremos a companhia de Mateus. Mas é bom lembrar que, em dez domingos mais ou menos (nos períodos de Quaresma e Páscoa), a leitura do evangelho será tirada do evangelho de João.

 

Mateus no contexto litúrgico

         Mateus é um evangelho longo: tem 28 capítulos e 1.071 versículos. (Mateus é quatro páginas mais curto do que Lucas e vinte páginas mais longo do que Marcos.) Quantos versículos de Mateus serão lidos no culto, neste ano? Pouco mais de 500 versículos, ou seja, pouco mais da metade. Dos 28 capítulos, apenas cinco não fornecem nenhuma leitura de evangelho em 2020: os capítulos 6, 7, 8, 19 e 24. Em catorze domingos, a leitura de evangelho será uma parábola de Jesus. (Dia 26 de julho, ao lermos Mateus 13.44-52, teremos três parábolas, breves, de uma só vez.) Milagres de Jesus, teremos apenas três: multiplicação de pães e peixes (Mt 14.13-21), Jesus anda sobre o mar (Mt 14.22-33) e a mulher cananeia (Mt 15.21-28). Mas, em algumas leituras, haverá referência ao fato de que Jesus fez milagres (Mt 9.35 e 11.5). Esse número reduzido de relatos de milagres como leitura de evangelho se deve também ao fato de que Mateus 8, que traz uma coleção de milagres, não foi incluído na Série Trienal. Relatos que ouviremos apenas neste ano, porque não têm paralelo nos demais evangelhos, são os seguintes: a visita dos magos (Mt 2.1-12), a fuga para o Egito (Mt 2.13-23), vários ensinos de Jesus a respeito da Lei (Mt 5.17-37), o convite “venham a mim” (Mt 11.28-30), várias parábolas (Mt 13, 18, 20, 21, 25), a cena do grande julgamento (Mt 25.31-46) e a grande comissão (Mt 28.16-20).

 

Características do evangelho de Mateus

Quem começa a ler a Bíblia pelo Novo Testamento – como geralmente se recomenda – tem uma grande surpresa, pois a primeira coisa que encontra é uma lista de nomes, uma genealogia, a genealogia de Jesus Cristo. Alguém poderia dizer: “Mas que jeito chato de começar um livro!”. No entanto, um leitor judeu do tempo de Mateus não iria concordar com isso, porque para ele essas listas de nomes eram importantes, especialmente em se tratando do Messias. E por que justamente Mateus foi colocado no início do Novo Testamento? Não temos resposta clara para esta pergunta. Teria sido para testar a persistência dos leitores? Tudo indica que não. Na medida em que Mateus faz a conexão com o Antigo Testamento (também por meio daquela genealogia), faz sentido que ele apareça em primeiro lugar.

Mateus cita muitos textos do Antigo Testamento (mais de 40!), mostrando que se cumpriram. Muito interessantes são as assim chamadas “citações de cumprimento”, em número de onze (Mt 1.23; 2.6,15,18,23; 4.15-16; 8.17; 12.17-21; 13.35; 21.5; 27.9-10).  Recebem esse nome por causa da fórmula introdutória “para se cumprir o que foi dito por meio do profeta”. Quatro dessas “citações de cumprimento” aparecem em leituras de evangelho deste ano (Mt 1.18-25, 4.15-16, 21.5, 27.9-10). O profeta mais citado por Mateus é Isaías. A propósito, textos de Isaías entram como leitura do Antigo Testamento em mais de vinte domingos deste ano!

Há quem diga que Mateus tem em vista um propósito apologético. Em outras palavras, estaria defendendo o caráter messiânico de Jesus contra o ataque do judaísmo oficial. Não sabemos se o evangelho foi escrito com essa finalidade, mas parece evidente que ele podia ser usado (e foi usado) para fins apologéticos. Apontando para textos dos profetas, o evangelista enfatiza aspectos da vida de Jesus que poderiam parecer mais obscuros e/ou escandalosos, especialmente para os judeus. Entre esses aspectos “difíceis de engolir” estão os seguintes: o fato de Jesus ter nascido de uma virgem (Mt 1.23); a escolha de Cafarnaum, e não de Jerusalém, como base de operações (Mt 4.14-16); a condição de Servo humilde e sofredor (Mt 8.17; 11.2-6; 12.17-21); a linguagem simples e misteriosa das parábolas (Mt 13.35); a entrada nada triunfal do Rei messiânico em Jerusalém (Mt 21); a prisão e condenação de Jesus (Mt 26.56; 27.9-10).

Outra característica do evangelho de Mateus é o arranjo cuidadoso. Existe uma sequência cronológica, mas, dentro dela, os episódios são agrupados. Assim, Mateus reúne vários milagres no capítulo oito e traz uma coleção de parábolas no capítulo treze. O evangelista como que alterna entre ciclos de discursos e seções em que ganham destaque os milagres. Dignos de nota são os cinco discursos ou sermões de Jesus no evangelho de Mateus: o Sermão do Monte (Mt 5—7), o Sermão para os Apóstolos (Mt 10), o Sermão das Parábolas (Mt 13), o Sermão sobre a Igreja (Mt 18), e o Sermão das Coisas do Fim (Mt 24—25). Esses cinco sermões terminam com a mesma fórmula: “Quando Jesus acabou de...” (Mt 7.28; 11.1; 13.53; 19.1; 26.1). Ao longo de 2020, teremos leituras de evangelho tiradas de cada um desses cinco sermões de Jesus.

 

Mateus em boa companhia

No ano A da Série Trienal de leituras, o ano em que lemos Mateus (e João), as seguintes epístolas aparecem com destaque: 1Coríntios (no pós-Epifania, em janeiro e fevereiro), 1Pedro (no período da Páscoa, em abril e maio), Filipenses e 1Tessalonicenses (mais para o final do ano). Mas a “epístola do ano” será Romanos, visto que trechos dessa carta serão lidos em 23 domingos deste ano, ou seja, em quase metade dos domingos. Nos quatro domingos de Advento (que já passaram), tivemos três leituras de epístola tiradas de Romanos. No tempo da Quaresma (a partir do início de março), quatro leituras de epístola (de um total de cinco) serão extraídas da carta aos Romanos. E, começando no Segundo Domingo após Pentecostes (14 de junho), teremos 14 domingos seguidos com leituras de Romanos. Apenas dois capítulos de Romanos (Rm 2 e Rm 16) não fazem parte da Série Trienal A, em 2020. Ficará bem claro que Carta aos Romanos estará “sobre a Mesa da Palavra” neste ano.

Quem vê os cultos na igreja como experiências isoladas (um culto de cada vez) talvez nem se dê conta de que esses textos aparecem numa sequência. Assim sendo, não custa avisar. E recomendar que, ao lado de Mateus, os livros bíblicos que deveríamos ler e estudar de perto em 2020 são Romanos, 1Coríntios, Filipenses, 1Tessalonicenses e 1Pedro. Ah, também Isaías, o maior profeta (e poeta) do Antigo Testamento. Ao pregador cabe planejar com antecedência, criando, quem sabe, uma série de sermões ou estudos bíblicos sobre um desses livros bíblicos.

 

Um conselho final

         As leituras que são feitas no culto são sempre leituras curtas. São perícopes, como as chamamos, isto é, “recortes”. Com leituras breves ao longo de todo um ano, será difícil visualizar um quadro do evangelho de Mateus como um todo. A cada nova leitura, a gente poderá ficar com a impressão de que é simplesmente “mais uma história a respeito de Jesus” ou “mais uma história que Jesus contou”. Mas ela virá do evangelho de Mateus, que é um todo. E cada uma dessas leituras como que pressupõe familiaridade com o evangelho como um todo. Por isso, o conselho: leia o evangelho de Mateus do começo ao fim, num dia ou em poucos dias. Releia o evangelho várias vezes durante o ano. Estude o evangelho de Mateus a partir de uma Bíblia de Estudo. Leia também as epístolas que recebem destaque neste ano. E o livro de Isaías. Nunca é demais ler e reler a Palavra de Deus!

Assine o mensageiro luterano e fique por dentro dessa e outras notícias

Já é assinante?

Não sou assinante

Vilson Scholz

Professor de Teologia no Seminário Concórdia e consultor de traduções da SBB vscholz@uol.com.br

Artigos Leia mais


Notícias Leia mais


Assine o Mensageiro Luterano e
tenha acesso online ou receba a
nossa revista impressa

Ver planos